5 formas de divulgar a mídia podcast

17 abril 2015 Por Randal Bergamasco
5 formas de divulgar a mídia podcast

Presente no Brasil desde 2004, o podcast ainda não conseguiu sua popularização na cultura digital brasileira. Comparada a outras mídias da internet de cunho audiovisual como o Youtube, percebemos o quanto a podosfera brasileira tem dificuldades de cair no gosto da população. Vários Youtubers nacionais colecionam milhões de inscritos e visualizações, enquanto uma dezena de milhares de downloads já classifica um podcast como “grande”. Assim, há um abismo enorme entre essas mídias.

O ser humano é mais visual do que auditivo, isso é fato. Quando a televisão chegou e começou seu processo de popularização nos anos 50 e 60, muitos apostavam no fim do rádio. Mas isso não aconteceu: de fato, as empresas radiofônicas tiveram que modificar e diversificar seu conteúdo. Assim, televisão e rádio conviveram lado a lado no resto do século XX e coexistem até hoje. Na segunda década dos anos 2000, o mesmo fenômeno tem ocorrido com a TV, que sofre enorme concorrência com a internet e com o conteúdo sob demanda. Mas isso é assunto para outro momento.

Apesar do crescimento do número de podcasts, essa mídia não é dada a sua devida importância. Não podemos desconsiderar seu enorme crescimento nos últimos anos – as podpesquisas realizadas em 2009 e 2014 constatam isso – mas temos que ascender mais. São vários fatores que poderiam ajudar a essa mídia deslanchar, como uma maior divulgação das mídias convencionais (rádio, televisão e imprensa escrita) ou até mesmo mais patrocinadores, que ainda não confiam completamente nesse produto midiático. Diante desse cenário, existe apenas um fator que pode, de fato, ajudar a divulgação da mídia podcast: VOCÊ.

É isso mesmo, o chamado “boca a boca”.

Porém, a forma mais comum de apresentação para aqueles que não os conhecem é quase unânime: “é rádio pela internet”. Mas será que fazemos isso certo? Em primeiro lugar, deixemos claro uma coisa: podcast não é rádio pela internet. Longe da discussão sobre feed, o conteúdo desse produto midiático é diferenciado e, em geral, muito distante do que as rádios oferecem. Assim, listei cinco sugestões para divulgar podcasts para aqueles que não os consome:

1. Ouvir podcast é algo tipicamente solitário

Mulher de camisa azul e cabelos longos ouvindo podcast em péDiferente dos programas de rádio, podcasts exigem, no mínimo, um grau médio de atenção. Geralmente são compostos por debates e bate-papos e, para consumir o material, ele deve ser ouvido e compreendido. Quanto ao rádio, encontramos facilmente um aparelho ligado em lojas, bares, lanchonetes, mercados, oficinas, escritórios, etc. apenas para efeito de preenchimento do som ambiente e proporcionar assim um lugar mais agradável.

Quer recomendar um programa para seu amigo ouvir? Sugira que ele ouça enquanto trabalha (quando o trabalho for algo mecânico e não exige atenção ou foco); enquanto faz esteira na academia ou na prática de uma caminhada; ou enquanto está no trânsito. Aliás, os moradores de grandes centros urbanos gastam horas do seu tempo dentro de um trem ou ônibus. E podcast é uma ótima pedida para esse público.

E, por favor, não perca seu tempo apresentando podcasts durante uma grande reunião de família, um churrasco, uma festa, o momento não é esse e ninguém dará a mínima. O máximo de audição coletiva pode acontecer no trânsito, no carro, enquanto dirige, com o consentimento dos passageiros. Podcast tem uma essência solitária.

2. Não use a palavra feed

Para a popularização de uma mídia, devemos facilitar ao máximo seu consumo. Ao apresentar podcast a um potencial ouvinte, entre no site, faça o download convencionalmente ou ensine-o a ouvir pelo próprio navegador. Falar em feed, num primeiro momento, pode afugentar iniciantes. Quando a mídia ganha um novo ouvinte, seu interesse aumenta e, naturalmente, ele aprenderá a procurar maneiras mais fáceis de acessar o seu conteúdo favorito. Descomplique para facilitar o acesso. Nada de feed.

3. Sugira o episódio certo

Do que adianta sugerir um podcast sobre “O Poderoso Chefão” para alguém que não gosta de cinema? E por que oferecer um programa sobre o Velho Oeste se seu amigo não gosta de história? O conteúdo podcastal nacional é variado e atende vários os gostos. Recomende o tema de acordo com a preferência de quem você vai indicar. Pra quem gosta de história, podcasts sobre história; para amantes de cultura pop, episódios sobre cultura pop; para quem curte humor, programas de humor. E assim por diante. Não obrigue alguém gostar do que você gosta.

4. Pessoas desinteressadas

Todos nós conhecemos pessoas que não se importam com nada, são avessas a tecnologia e desinteressadas a qualquer novidade. Nem perca seu tempo.

5. Retuite, curta e compartilhe

As redes sociais são fontes de novidades. No Twitter, retuitar o novo episódio do seus podcasts favoritos contribuem na divulgação do programa. Quanto ao Facebook – que, aliás, tem restringido o número de visualização das fanpages – curtir, comentar e compartilhar postagens ajuda na proliferação de conteúdo.

retweet ícone branco num fundo azul claroAlém disso, o compartilhamento de um episódio na sua timeline, seja antigo ou novo, fatalmente atrairá alguém que nunca ouviu falar na mídia e eventualmente pode interessar-se por ela. Talvez há algum ouvinte potencial que você não saiba.

Enfim, essas pequenas ações podem contribuir na distribuição, divulgação e recrutamento de novos ouvintes. Façamos nossa parte para que, talvez um dia, os podcasts possam se tornar algo tão popular quando vídeos no Youtube ou postagens dos tradicionais blogs.

Euler ETI Euler ETI