Lei de Racum para a podosfera

23 maio 2014 Por Pablo de Assis
Lei de Racum para a podosfera

Já escrevi em meu blog sobre a Lei de Godwin e os direitos humanos mas nunca pensei que algo parecido com essa lei pudesse se desenvolver na podosfera brasileira. Para quem não conhece, Godwin foi um participante de fóruns nos primórdios da internet que postulou que em qualquer discussão, quanto maior o tempo ou mais longa são as postagens, maiores são as chances de que essa discussão utilize argumentos sobre ou comparações com o nazismo.
Felizmente não chegamos a este ponto na podosfera, mas já estou prevendo pessoas comparando quem quer “impor” o uso do feed para o podcast com nazistas que querem impor a sua ideologia para os outros não-feedistas ou algo do gênero.

Apesar disso, em conversa recente entre Eduardo Sales Filho e Ronaldo “Racum” Ferreira – idealizador da PodPesquisa em ambas edições – eles começaram a perceber um padrão no comportamento de discussão de podcasters, independente da temática. Ou seja, se podcasters estão discutindo sobre podcast, quanto mais conversarem, maior será a chance de discutirem sobre o feed. Chamaram isso de Lei de Racum.

Logotipo do site Racum TecnologiaA Lei de Racum

Em sua postagem no Facebook sobre a conversa, Dudu Sales formulou a Lei de Racum da seguinte forma: “À medida em que cresce uma discussão entre podcasters, a probabilidade de surgir uma briga por feeds aproxima-se de 100%.

Essa briga tem a ver, principalmente, com a necessidade do uso de feed para um podcast ser considerado um podcast. Também pode acontecer o surgimento do feed em questões técnicas, quando alguém sugere fazer algo manualmente que o feed já faz automaticamente, como uma organização dos arquivos MP3 ou alguma forma de baixar os arquivos diretamente do site com mais facilidade.

E, diante das minhas várias pesquisas sobre o assunto, tenho uma certa explicação sobre isso. O podcast precisa do feed. Muitos podcasters reconhecem isso tanto quanto reconhecem que para se ver um filme no cinema é necessário ir até o cinema. Isso é o reconhecimento que podcast é uma mídia qualquer transferida via podcasting. E podcasting é a transmissão de mídia utilizando um feed e agregadores.

Nesse sentido, tudo o que se desenvolveu tecnicamente e formalmente sobre os podcasts – desde aplicativos e programas, códigos e sistemas de transmissão – foi levando essa característica intrínseca do podcasting em conta. Dessa forma, por mais que eu não queira reconhecer, o feed está presente, mesmo que de forma invisível – até mesmo no arquivo que eu baixo diretamente do site que utiliza um plugin de podcasting.

Assim sendo, ao falar sobre podcast, estamos falando de uma mídia transmitida via podcasting e muitas vezes o desconhecimento ou a negação do conhecimento da tecnologia do feed sobre isso faz com que pensemos que é possível fazer alguma coisa diferente que o feed já faz ou que é possível desenvolvermos alguma característica da mídia sem o feed – sendo que é o feed que garante essas características, como a atemporalidade, disponibilidade e liberdade (quem quiser saber mais sobre isso, detalhei algumas dessas questões no meu capítulo “O Feed e a Fidelização do Podouvinte” no livro ‘Reflexões sobre o Podcast“). Porém, essa é uma característica da podosfera brasileira, já que fora do Brasil, principalmente nos Estados Unidos (onde estima-se a quantidade de podouvintes próximo dos 39 milhões) e na Europa, essa questão parece não ser tão relevante, pois falar de podcast sem feed é tão estranho quanto falar de programas de rádio transmitidos via fitas cassete.

Invariavelmente, podcasters iniciantes ou que não são simpatizantes da tecnologia do feed vão acabar fazendo algum comentário que faz referência a alguma característica do feed. E, quanto mais se conversa sobre podcast e podcasting, maiores são as chances de isso acontecer e, invariavelmente, alguém que conhece o feed e o defende irá apresentar seus argumentos sobre a questão e a briga se iniciará.

Da mesma forma que a Lei de Godwin é implacável, a Lei de Racum, cada vez mais – principalmente depois do resultado da Podpesquisa 2014 e as leituras isoladas dos dados – mostra-se presente. Ou por acaso você se lembra de alguma grande discussão sobre podcast na podosfera brasileira que não descambou para uma briga sobre o feed?