Todd Cochrane, CEO do Blubrry – Entrevista

9 outubro 2014 Por Thiago Miro
Todd Cochrane, CEO do Blubrry – Entrevista

Todd Cochrane é um ex-membro da marinha estadunidense, residente no Hawaii, em Honolulu. Todd possui uma grande responsabilidade pela forma em que mídia podcast se desenvolveu em todo o mundo. Em 2002, Todd criou o site Geek News Central e em meados de 2004 deu início ao podcast que leva o mesmo nome do site. Atualmente, o podcast GNC está com 984 episódios publicados.

Fundador e CEO da RawVoice Inc., uma empresa que trabalha com mais de 23000 criadores de conteúdo em áudio e vídeo, Todd criou a Tech Podcast Network, uma rede de podcasts, e criou também o Blubrry.com, uma empresa que dispensa todos os comentários. Todd também é responsável por conseguir que os podcasts nos EUA tivessem credibilidade suficiente para que empresas passassem a anunciar em sua rede. Por último, Todd Cochrane é o idealizador do Podcast Awards, uma premiação anual para podcasts americanos, evento que já possui 10 edições.

Ou seja, Todd Cochrane é a pessoa com mais autoridade no mundo para falar sobre a mídia podcast. Eu o procurei para obter opiniões e pontos de vistas sobre as principais questões debatidas em grupos e fóruns sobre podcasts no Brasil.


Todd: O Ouvinte

Todd, O que mais lhe dá prazer em fazer podcast?

Todd: Eu amo a interação com a audiência e compartilhar minhas opiniões e o que aprendi.

Que aspectos você considera quando ouve um podcast? E o que o faz desassinar um feed?

Todd: Eu odeio podcasts donos da verdade, isso mostra imaturidade. Eu adoro quando podcasts demonstram paixão quanto ao conteúdo abordado e quando o host do programa se mostra genuíno.

// Comentário: Acredito que foi tocado num ponto importante aqui. Segundo o Todd, você não precisa ser especialista, basta você amar o que está fazendo. Concorda?

Todd CochraneNos Estados Unidos, a quantidade de podcasts é muito maior que no Brasil, você acha que há alguma saturação de temas abordados pelos podcasters?

Todd: Não. Existe um podcast para cada ouvinte. Nem sempre nos conectamos com o apresentador, então procuramos podcasts que possamos nos conectar de alguma forma. Cada um tem uma forma diferente de se apresentar.

// Comentário: Eu concordo com a opinião do Todd de que não existe saturação de temas. Quem ouve dezenas de podcasts pode sentir que há uma saturação, principalmente em temas relacionados a cultura pop, mas se você procurar olhar a fundo, poucos podcasts se repetem. E se você não gosta, mude para outro, não se sinta obrigado a ouvir algo.

Eu sei que a língua é uma grande barreira entre nossos países, mas você conhece algum podcast Brasileiro?

Todd: Eu não escuto podcasts brasileiros por conta do idioma, mas eu tenho amigos que produzem podcast no Brasil. E como um empresário do podcast, nós estamos atentos as necessidades da podosfera brasileira. Esta é uma das razões pela qual a versão 6.0 do Powerpress terá uma tradução para o português brasileiro.

// Comentário: Infelizmente esta é uma barreira que nunca será rompida, o idioma. Podcasts em inglês conseguem público em qualquer país, isto facilita um pouco a propagação. Pelo menos sabemos que os podcasts brasileiros possuem relevância para o Blubrry.

História do Podcast

Todd, é amplamente conhecido no Brasil que os podcasts surgiram em 2004, nós usamos como marco inicial o artigo do jornal The Guardian. De fato, quando começou o podcast e quem foi o primeiro a publicar?

Todd: Eu acho que o primeiro podcast oficial baixado com um “podcatcher” foi Scripting News ou Daily Source Code. Dave Winer e Adam Curry, na minha opinião, são igualmente tratados como podpais. A especificação de Dave para o RSS 2.0 que permitiu o embedamento do arquivo mp3 para então ser baixado pelo Podcatcher criado por Adam definem isso como o primeiro podcast baixado. O termo podcasting foi definido por Ben Hamersley, mas Adam tornou possível os métodos de assinatura dos podcasts.

Eu comecei meu podcast no dia 9 de outubro e foi um dos 50 primeiros. Mas definitivamente fui o primeiro a ser patrocinado e ganhar dinheiro substancial com a mídia.

// Comentário: Que excelente conhecer um pouco mais da história da mídia. O melhor foi saber que o Mundo Podcast faz aniversário no mesmo dia que o Geek News Central. Também nascemos em um 9 de outubro.

Qual é o podcast mais ouvido dos Estados Unidos?

Todd: Alguns dizem que é o podcast do Adam Carolla, mas eu conheço alguns igualmente grandes que não possuem a exposição que o Adam tem. Adam tem o podcast mais famoso, então provavelmente seja o mais popular, mas existem vários tão grandes quanto.

// Comentário: O podcast do Adam Carolla é lançado diariamente e já ultrapassou a marca de 60 milhões de downloads. O Adam Carolla Show está no Livro dos Recordes como o podcast mais baixado do mundo.

Você tem uma estimativa de quantos podcasts existem nos Estados Unidos?

Todd: Acreditamos que já tenha ultrapassado a marca de 100,000 podcast ativos, entenda ativo como publicando pelo menos um episódio por mês. Porém, dizem que a iTunes já possui mais de 200,000 podcast em seu diretório. Eu não acredito que hajam tantos ativos.

// Comentário: Isso até dá uma tristeza. Já imaginou se houvesse pelo menos 10 mil podcasts ativos no Brasil, a quantidade de pessoas para as quais a mídia se propagaria não seria imensamente maior?

Penso isso porque a mídia no Brasil é apenas alguns meses mais nova que a americana, mas eles estão anos-luz à frente. E a iTunes é responsável por isso, são tantos americanos que possuem um iPod, iPhone, iTreco… Eu acredito que se esses tipos de aparelhos no Brasil fossem tão baratos quanto aparelhos simples Android, a mídia seria muito mais popular. É uma hipótese.

Todd Cochrane gravando em seu estúdio

Todd Cochrane em um Hangout

Todd, se um cidadão americano decide hoje criar um podcast, existe conteúdo suficiente que permita que ele aprenda a produzir e publicar facilmente?

Todd: Existem muitos livros, conteúdo online, consultores e técnicos. A maioria das pessoas usam recursos gratuitos na internet. Nós inclusive temos um manual para produzir podcasts no blubrry.com, mas uma simples busca traz excelente resultados. Seria interessante ter todo esse conteúdo traduzido para português, espanhol, chinês, japonês etc.

// Comentário: Nós temos o Mundo Podcast, Os Comentadores, Metacast, AloTenica… Conteúdo de qualidade e útil no Brasil também não falta. 😀

Existe alguma forma de rapidamente atingir uma grande audiência?

Todd: Não existem atalhos a menos que você seja uma estrela de cinema ou muito sortudo. Um conteúdo excelente, feito com paixão e bem apresentado te fará chegar longe, mas você tem que trabalhar muito. Eu trabalho muito, muito duro para manter e construir minha audiência. Você precisa ir onde sua audiência está e engajá-los em fóruns, redes sociais etc. Você precisa fazer o marketing do seu podcast de todas as formas possíveis. Você também pode expor seu material em jornais etc.

// Comentário: Eu estava ansioso por esta resposta para mais uma vez fortalecer o que sempre falamos, seja muito paciente e trabalhe duro para construir sua audiência. Ela crescerá gradualmente e a passos lentos. Faça com seu podcast o melhor que você puder e tudo acontecerá naturalmente.

Um dos maiores debates é quanto a importância dos comentários. Nos Estado Unidos, os podcaster dão muita importância para o feedback ou tanto faz se você recebe pouco ou muitos comentários?

Todd: Feedback da audiência é bom, às vezes esse feedback pode ser negativo mas todos feedback é bem-vindo. Saiba que quando você recebe um feedback é porque a audiência está respondendo ao que você disse. Você deve ouvir seus ouvintes, mas não permita que 1-2 comentários mudem sua forma de produzir o podcast. Os maiores fãs e o maiores haters serão os que você mais deve agradar para manter todos em equilíbrio.

// Comentário: Chega dessa história de que podcast americanos não se importa com comentários. Uma das coisas que mais vejo em grupos de podcasts são pedidos de avaliação com comentário na iTunes, onde boa parte publica episódios sem sequer ter um site. Comentário é importante. Trate todos educadamente e não seja um cavalo com seus ouvintes.

Patente do Podcasting

Eu perguntei sobre o posicionamento do Todd quanto ao processo movido por Jim Logan (veja em detalhes AQUI) contra a iTunes e alguns podcasters e o que acontecerá caso a Personal Audio vença a disputa.

Todd: Infelizmente, seguindo conselhos de meu advogado, eu não posso comentar sobre o processo no momento. Eu aguardarei os resultados da EFF. Acredito que, baseado em informações iniciais, que o detentor da patente imaginou que havia muito dinheiro envolvido na podosfera* americana. Isso pode desencorajá-lo a prosseguir mas… Quem sabe.

*A podosfera americana é chamada de space.

// Comentário: A Personal Audio venceu o disputa. Veja mais detalhes no link.

Estúdio do Todd Cochrane

Estúdio do Todd Cochrane

Todd: O Produtor

Todd, de acordo com suas informações, qual a quantidade de pessoas nos Estados Unidos que conhecem e consomem podcasts?

Todd: Nós registramos 75 milhões de pessoas por mês ouvindo os podcasts mais variados todo mês.

// Comentário: Nossa!!! 75 milhões!!! Isso representa cerca de 30% da população estadunidense. Analisando juntamente a um estatístico os resultados gerais e individuais da PodPesquisa, conseguimos chegar a um total aproximado de 1 milhão de ouvintes no Brasil, o que representa 0,5% da nossa população. Não tenho mais palavras.

Como norte-americanos preferem ouvir podcasts, smartphones, computers, iPods?

Todd: Neste momento os aparelho mobile ganham cada vez mais espaço, é onde a podosfera* está e onde vai acabar. Alguns sempre irão ouvir no trabalho, em seus computadores. Mas o mobile será a majestade sempre.

Aqui no Brasil existe um grande debate quanto a essencialidade do Feed para a existência do podcast. Qual a sua opinião, você acha que deve haver um Feed para ser considerado podcast? Se eu publicar um áudio em um site, sem feed, posso chamá-lo de podcast?

Todd: Sem Feed não é Podcast. O Feed RSS é a vida do Podcast. Até que alguém surja com um método melhor para entregar os podcasts automaticamente para o ouvinte, o Feed será fundamental. Sem um Feed o seu programa é apenas um programa na internet, você não é um podcaster.

 // Comentário: Eu evoco a Lei de Racum. Pois é, amigos, eu perguntei… A necessidade do feed para existência do podcast é um paradigma fundamentado. A menos que algo inovador quebre esse paradigma, sem feed não existe podcast.

O Youtube não fornece um Feed RSS, mas algumas pessoas publicam seus arquivos de áudio com imagens estáticas em seus canais. Qual a sua opinião sobre publicar no Youtube?

Todd: Eu publico vídeos no Youtube, acho bobagem publicar áudios, mas se o podcaster está conseguindo ouvintes no Youtube, não recrimino. Eu aconselho a distribuir em todos os lugares que você puder, mas certifique-se de que sua audiência saiba onde encontrar seu site.

// Comentário: Também acho válido publicar no Youtube, mas para os podcasts brasileiros seria um problema porque usamos muitas músicas com direito autoral e o Youtube consegue identificá-las, remover o episódio do ar e nos punir por violar suas normas. Resumindo: É válido, mas não recomendo, principalmente se você costuma publicar vídeos.

A iTunes é o maior diretório de podcasts do mundo, mas eles não hospedam arquivos mp3. Você acha que seria bom se existisse uma plataforma dedicada para os podcasters como o Youtube?

Todd: Nós temos uma plataforma que será expandida no Blubrry.com. E com toda a honestidade, estou surpreso que mais pessoas já não tenham criado algo assim. Eu acho que Networks são mais eficazes, nossa network, a TechPodcasts, atinge 11 milhões de ouvintes por mês e mesmo assim ainda é um diretório pequeno.

// Comentário: Olha aí a boa notícia, em breve o Blubrry terá uma plataforma como essa, mas fica a dica para os desenvolvedores brasileiros tentarem criar algo como o Youtube para podcasts.

Como os podcasters norte-americanos lidam com o uso de músicas com direito autoral. Existe alguma lei específica ou instituição que lide com isso?

Todd: Ninguém foi processado ainda, mas o risco muito alto ao se executar músicas com direito autoral em podcasts. A RIAA* é a pior organização do planeta e eles gostam de ganhar dinheiro processando infratores. Como regra geral, não é seguro tocar músicas com diretos autorais em um podcast com sede nos Estados Unidos.

*Recording Industry Association of America

// Comentário: Além do uso de músicas livres, algo que vejo em podcasts norte-americanos é que os podcasters que dominam algum instrumento costumam compor as músicas usadas em seus próprios podcasts.

No Brasil temos o ECAD para lidar com isso. Segundo o próprio ECAD, você deve pagar uma Unidade de Direito Autoral para tocar músicas em seu podcast desde que ele seja publicado em um único feed e sem fins lucrativos.

Eu sigo tranquilo usando as músicas, uma vez que o próprio ECAD anuncia que não possui política de cobrança para podcasts. Você concorda?

Você já teve problemas ao explicar para alguém o que é um podcast? Como podemos facilmente introduzir o podcast para alguém que não o conhece?

Todd: Eu digo às pessoas que não entendem o que eu faço que eu produzo um programa de rádio on-line e que eles podem se inscrever. Rádio é universal, assim as pessoas conseguem facilmente entender quando eu digo a eles é um programa de rádio online. Mas para a maior parte a palavra “podcast” se tornou popular e a maioria das pessoas acham que legal eu ter um podcast, embora eles não costumem dizer isso.

// Comentário: Não estamos só em relação a dificuldade na tarefa de propagar a mídia. Em todos os países existe essa barreira. Eu particularmente passei a dizer que podcast é como o Netflix ou como o Youtube, é conteúdo em áudio que você consome quando quiser.

Todd, o que você recomenda para aqueles que querem começar um podcast?

Todd: Escolha um tema que você seja apaixonado e você poderá criar conteúdo a longo prazo. Não espere sucesso instantâneo e valorize cada ouvinte da mesma forma. No fim das contas, tudo gira em torno do conteúdo. Crie conteúdo sólido regularmente por pelo menos dois anos antes de encerrar seu podcast.

Não tenha medo de experimentar mas se a sua temática é boa e você gosta do que faz, os ouvintes se reunirão para o ouví-lo. Não se preocupe em errar, o público vai crescer com você e aprenderão a rir de si mesmo. Eu rio de mim mesmo a cada episódio porque eu tenho uma tendência em errar as pronuncias de vez em quando.

A coisa mais importante é se divertir com o podcast… Quando ele deixa de ser divertido, é hora de encontrar outra coisa para fazer com seu tempo. A vida é curta.

// Comentário: Excelente, Todd. Persistir, amar o que faz e se divertir.


 

Leia a entrevista na íntegra: mundopod.us/1rLePFm

Espero que as palavras do Todd sirvam para provocar algum tipo de reflexão em como fazemos podcast e como poderemos fazer a mídia crescer tanto quanto no exterior. 🙂

Euler ETI Euler ETI