Po(D)ema #124 – Hoje, eu acordei ouvindo um piano

20 novembro 2016 Por Mundo Podcast
Po(D)ema #124 – Hoje, eu acordei ouvindo um piano
  • Texto: Hoje, eu acordei ouvindo um piano
  • Autor: Tomigawa
  • Interpretação: TomigawaNotas Póstumas
  • Música: Hungry Face – Mogwai
  • Duração: 2min42s

Tomigawa

Hoje, eu acordei ouvindo um piano

ele cantava uma canção de um pobre lugarejo,
onde somente haviam contradições, melancolias,
e sonolentos pássaros a revoar por sobre os nossos sonhos.

(cada ensejo ali criado era ocasião para a morte de mais um sonho)

tais pássaros eram os sêres
mais intangíveis em seus arcabouços de monotonia.
e também mais reflectíveis em nossos poemas de rebeldia.

quem estaria tocando aqueles prelúdios?
era quem sabe o Pequeno Príncipe – com sua cabeleira loura e pele esfumaçada,
tencionava truculentamente dizer algo para mim que eu jamais saberia interpretar.
seus dedos tortuosos remontando às ondas de intempéries majestosas
que subiam umas às outras como que flácidos enxames
a se desalojar mortiços duma colmeia.

e o Príncipe me olhava, como que se lhe faltasse oxigênio no corpo.
seu olho vazio em redoma de vidro, grassado por cataratas negras de bolhas…

as notas não paravam de tocar aquela melodia prenhe de pássaros
que desfiavam todos os nossos sonhos e faziam sua mais admirável digestão…

nossas grandezas, nossas luxúrias, nossas soberbias…
nossos sonhos tornados fezes cem mil vezes na vida…
que todos nós saibamos fazer parte desta grande ironia…
uma ironia que bem se resvala na felicidade e na ferida…

de repente,
o Pequeno Príncipe começou a falar, em um tom sensivelmente belo:
cativa uns poucos amores para ti, meu caro…
que eles serão tudo para ti, e tu serás tudo para eles…
deixe que lhe mostrem os corações,
pois somente o oferecer-se de si mesmo é capaz de trazer-lhe algum sentido nessa vida…
saiba fazer diferença inda que pouca na vida das pessoas,
pois o pouco de amor que terás
é capaz de superar toda a falta de soberbias
que lhe proporcionará a realidade da vida…
pois o pouco de amor que terás,
pois o pouco de alegria retumbante aspergida nos entremeios de teu cotidiano,
suplantará todas as más paixões e desencantos do mundo…

e assim foi que acabou sua melodia, já mais suave,
me deixando entrever um lento e tímido sorriso no rosto.

Euler ETI Euler ETI