Po(D)ema #34 – Procissão Interior

25 fevereiro 2013 Por Mundo Podcast
Po(D)ema #34 – Procissão Interior
  • Texto: Procissão Interior
  • Autor: Erika Figueira
  • Interpretação: Erika Figueira (@erikapes) – Sexo e Tintas
  • Música: Calix Bento – Uakiti
  • Duração: 4min05s

Arte da vitrine: Rodrigo Sena

Procissão Interior - Erika Pessanha

Procissão Interior

Sigo na procissão, e nessas ruas estreitas estreladas, de paralelepípedos milenares, sigo descalça, vestida de branco e rendas. Carrego uma pequena caixa com meus pecados, trancada, para que nem eu possa vê-los.

Para homens e mulheres, o melhor do mundo, é o fato de que nessa caminhada, somos apenas ignorantes, crianças caminhantes , anjinhos perversos seguindo errantes, na única direção que os anjos mais velhos puderam nos ensinar.

Que a natureza preserve os nossos joelhos, ou que surjam novos parceiros, que nos ajudem a de pé caminhar. Nesse caminho louvamos nossos altares, nomeamos nossa solidão perdida, damos a ela forma, a vestimos roupas e a carregamos nas costas, louvamos, apenas para conseguir continuar. Os bichos nos seguem, sem desespero, por terem recebido, do provável dono dessa procissão, a dádiva da ignorância…ao invés do infortúnio da razão.

Sim, devemos ser realmente pecadores, o nosso castigo é pensar…se fôssemos ainda animais, tudo que hoje se encontra nessa caixa pesada, nessa longa caminhada, estaria em outra procissão: Liberto ao vento, no caminho dos rios seguindo os peixes, embrenhado no cio dos lobos mata adentro, no amor contido em cada elemento.

Quem nos dera, durante essa procissão, resolvêssemos voltar atrás, por algum motivo da natureza, parássemos estupefatos, olhando uns aos outros de fato, e corrêssemos para o início de tudo, despindo idéias, arrancando as roupas, adornos sociais, penduricalhos matrimonias… Beatas repetidas, velhos desanimados, meninos desamparados, caucasianas e mulatas, guerreiros e malandros, mendigos e magnatas… quebrando caixas, libertando almas, inspirando e expirando imagens…apenas viver já é caminhar, nossos caminhos não são ruas, encontram-se embaralhados na Terra, no céu e no mar. Esse, é nosso altar.

E finalmente percebendo, que tudo, tudo é sagrado! Cada pecado por nós mesmos condenado…e assim sendo , nesse momento, retrocedêssemos nossas orações, aos idiomas, a antes das palavras e palavrões, aos grunhidos, que seja em gemidos, dirigidos assim á perfeita impossibilidade, e ao verdadeiro sentido de rezar.